sábado, 16 de novembro de 2013

Sustentabilidade: Brasil tem menos de um ano para acabar com os lixões




Pilhas de poeira, objetos velhos, quebrados e empilhados em verdadeiras montanhas de entulho. Urubus voando ao redor. Acrescente ainda um grupo de pessoas que sai recolhendo em sacos plásticos tudo aquilo que pode ser reciclado ou reaproveitado. Essa cena é comum nos lixões, os espaços onde o lixo é despejado diretamente no solo e sem tratamento ambiental. Mas esses locais podem estar com os dias contados no Brasil. As prefeituras dos municípios têm até agosto de 2014 para apresentarem um plano de erradicação dos lixões em todas as cidades do país.
A questão foi tema da 4ª Conferência Nacional do Meio Ambiente, que aconteceu em outubro deste ano, em Brasília. No evento, administradores públicos questionaram o prazo e sinalizaram que ele é curto demais. O prazo foi estipulado pela Lei 12.305, que instituiu a PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos). Publicada em 2010, a lei prevê metas para a eliminação dos lixões nos municípios, que deverão ser substituídos por aterros sanitários que não causem danos à saúde pública.
A meta não será fácil de atingir. O Brasil tem hoje 2.906 lixões em atividade em pouco mais de 2.800 municípios, e que juntos produzem 189 mil toneladas de resíduos sólidos por dia, segundo estudo do Ipea lançado em 2012. Hoje no país, apenas 27% das cidades têm aterros sanitários, e 14% dos municípios fazem coleta seletiva do lixo. 
Outro ponto importante da lei é a proibição do envio de material reciclável para os aterros, com risco de multa. O PNRS prevê a destinação ambientalmente correta dos rejeitos e a redução na geração de resíduos através do aumento da reciclagem de materiais. A medida vai ao encontro de outra meta do Governo Federal: atingir o índice de reciclagem de 20% em 2015, como previsto no Plano Nacional sobre Mudança do Clima. 
Os problemas do lixo urbano
O lixo é uma das mais importantes questões da pauta ambiental. O crescimento populacional e o desenvolvimento industrial nos leva a produzir uma quantidade cada vez maior e mais variada de lixo e resíduos. Só em 2012, o Brasil produziu 63 milhões de toneladas de resíduos domiciliares.
Atualmente, apenas 1,4% dos resíduos sólidos é reciclado no país. Ainda assim, a reciclagem desempenha um papel importante na economia como geradora de empregos, com a compra e venda de materiais como metais, plástico, papel, papelão e embalagens tetra Pak. No caso das latas de alumínio, por exemplo, o Brasil reaproveita 95% do material e se tornou recordista mundial na reciclagem da categoria.
Segundo o Ipea (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas), o Brasil perde R$ 8 bilhões por ano por não investir de forma mais concreta na reciclagem.
Lixões x aterros
O fim dos lixões é algo necessário por questões ambientais e de saúde pública. Por exemplo, o chorume, líquido preto que escorre do lixo, penetra pela terra levando substâncias contaminantes para o solo e para o lençol freático. E mais: fica em contato com os objetos que são recolhidos pelos catadores, que não têm nenhuma proteção contra as substâncias tóxicas.
Com o fechamento desses locais, os municípios brasileiros deverão abrir aterros sanitários, disposição mais adequada dos resíduos sólidos urbanos. Um dos principais pontos positivos é que no aterro sanitário não há contaminação do lençol freático. O terreno escolhido é preparado e selado, de modo a deixar o solo impermeável. Além disso, o mau cheiro é controlado e o chorume drenado.
Outra vantagem dos aterros sanitários é que o biogás produzido pela degradação dos resíduos pode ser convertido em uma forma de energia útil como eletricidade, vapor, combustível para caldeiras ou fogões, combustível veicular ou para abastecer gasodutos com gás de qualidade. Existem diversos projetos nesse sentido, como nos aterros Bandeirantes e São João, no município de São Paulo, que já produzem energia elétrica.
Mas, o fechamento de um lixão também envolve questões sociais. Os maiores prejudicados são os catadores, que transformam o lixo em fonte de renda. Por isso, o PNRS determina que as cidades criem programas de coleta seletiva que incluam, socialmente e economicamente, os catadores de materiais recicláveis.
O processo que antecipa a construção de um aterro é longo. É preciso um estudo inicial sobre o impacto ambiental no local escolhido, licença para operar no terreno, concordância por parte dos moradores próximos e mostrar como e em quanto tempo o aterro será fechado. O tempo de vida médio de um aterro sanitário, segundo especialistas, deve ser de dez anos, podendo ser mais curto ou maior, dependendo do caso e do volume de lixo depositado.


quinta-feira, 29 de agosto de 2013

População brasileira ultrapassa marca de 200 milhões, diz IBGE




O Brasil tem uma população estimada em 201.032.714 habitantes, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O dado, referente a 1º de julho deste ano, foi publicado no "Diário Oficial da União" desta quinta-feira (29).
Na resolução, assinada pela presidente do instituto, Wasmália Socorro Barata Bivar, estão as estimativas populacionais de todos os municípios do país. Segundo o IBGE, o Brasil tem 7.085.828 habitantes a mais que o registrado em 1º de julho de 2012, quando a população era de 193.946.886.
Entre as unidades da federação, o estado mais populoso continua sendo São Paulo, que conta com 43,6 milhões de residentes.
O estado de Minas Gerais tem 20,5 milhões de habitantes. O Rio de Janeiro ocupa a terceira posição, com 16,3 milhões de habitantes. Bahia tem 15 milhões de pessoas e o Rio Grande do Sul, 11,1 milhões. O estado menos populoso é Roraima, com 488 mil habitantes.
A cidade de São Paulo é a que possui a maior população do país: 11,8 milhões (número que é maior que o de 22 estados e do Distrito Federal).
No posto de cidade menos populosa do Brasil está Serra da Saudade (MG), com 825 habitantes. Borá (SP), que aparecia empatada com o município mineiro até o ano passado, tem hoje 834 residentes.
A projeção das populações é feita anualmente a pedido do Tribunal de Contas da União (TCU) e serve de base para o repasse de recursos do orçamento aos municípios.
Confira abaixo a estimativa da população para todos os estados e para o Distrito Federal em 2013:
ESTADO
POPULAÇÃO
Região Sudeste

São Paulo
43.663.672
Minas Gerais
20.593.366
Rio de Janeiro
16.369.178
Espírito Santo
3.839.363
Região Nordeste

Bahia
15.044.127
Pernambuco
9.208.551
Ceará
8.778.575
Maranhão
6.794.298
Paraíba
3.914.418
Rio Grande do Norte
3.373.960
Alagoas
3.300.938
Piauí
3.184.165
Sergipe
2.195.662
Região Sul

Rio Grande do Sul
11.164.050
Paraná
10.997.462
Santa Catarina
6.634.250
Região Norte

Pará
7.969.655
Amazonas
3.807.923
Rondônia
1.728.214
Tocantins
1.478.163
Acre
776.463
Amapá
734.995
Roraima
488.072
Região Centro-Oeste

Goiás
6.434.052
Mato Grosso
3.182.114
Distrito Federal
2.789.761
Mato Grosso do Sul
2.587.267

http://g1.globo.com/brasil/noticia/2013/08/populacao-brasileira-ultrapassa-marca-de-200-milhoes-diz-ibge.html

terça-feira, 27 de agosto de 2013

I CIRCUITO DE VÕLEI DE PRAIA DE TARAUACÁ

Olá amigos, queremos convidar todos os atletas praticantes do Vôlei de Praia para participarem de grande evento esportivo na praia do Rio Tarauacá, localizada no bairro Senador Pompeu, I CIRCUITO DE VÔLEI DE PRAIA, nas modalidades Masculino e Feminino, nos dias 31 de Agosto e 1 de Setembro a partir das 9:00H. As inscrições serão realizadas na Fundação Elias Mansour e Biblioteca Pública de Tarauacá.
Essa é mais uma atividade esportiva financiada pelo Governo do Estado através da Lei de Incentivo ,financiada pela Empresa de Rio Branco VLG


domingo, 30 de junho de 2013

Participando da II Conferência Municipal de Cultura de Jordão


     Essa semana estive no Município de Jordão ajudando a mediar a II Conferência Municipal de Cultura de Jordão, onde estiveram presentes no evento várias pessoas da comunidade, funcionários públicos, indígenas, representantes de organizações, juventude, enfim, foi um evento onde as pessoas que estiveram presentes tiveram a oportunidade de discutir as ações que são desenvolvidas na área cultural e ao mesmo tempo propor mudanças para o aprimoramento dessas ações, para que possam ser efetivadas na prática. Da conferência saíram várias propostas que serão levadas para a CE. As Conferências são instrumentos que permitem aos governos e à sociedade civil discutir, implementar e aprimorar as ações nas diferentes áreas.  










terça-feira, 11 de junho de 2013

"Pior time do mundo" espera encontro com a campeã Espanha em Recife



Por questão de alguns dias, Recife reunirá os extremos do futebol internacional. Tudo graças à presença na cidade da Espanha, bicampeã europeia e vencedora do último Mundial. O time de Iniesta e Casillas começa sua caminhada na Copa das Confederações pela capital pernambucana, que também abriga o Íbis, folclórico clube local que se autodenomina o pior do planeta.
Durante a sua pior fase, no final da década de 70 e início dos anos 80, o Íbis conquistou a brava marca de três anos e 11 meses sem uma vitória sequer. A façanha valeu ao clube um lugar no "Guiness, O Livro dos Recordes". Por isso, no uniforme oficial, abaixo do escudo, está escrita a frase "O Pior Time do Mundo", apesar do clube já ter sido duas vezes campeão estadual de juniores e conquistado a Segundona de Pernambucano em 1999.
O clube manda atualmente seus jogos em Paulista, cidade da região metropolitana de Recife onde nasceu o pentacampeão Rivaldo. Segundo o presidente Ozir Ramos, o Íbis está de prontidão à espera de uma oportunidade de ver as estrelas da Espanha e divulgar a fama negativa.
"Estamos à disposição deles. Seria interessante algum contato. A gente desafia eles para um treino", declarou Ozir Ramos.
No último ano, o Íbis experimentou uma surpreendente boa fase, que gerou protestos de torcedores apegados à tradição do "pior do mundo". Mesmo assim, apesar do perigo de contrariar a conhecida identidade do clube, o presidente afirma que a intenção no segundo semestre é conquistar acesso á elite do futebol pernambucano.
"Estamos em preparação, o campeonato começa em 5 agosto, a A-2 do Pernambucano. O time está em formação. O time está treinando já. Queremos subir, buscar o acesso", afirma Ozir Ramos. "A gente ficou mais ou mesmo ano passado, com cinco ainda atrás da gente. Nossa intenção é jogar para ganhar. O time é pobre, não tem recursos para adquirir atletas. Mas quando dá a gente dá uma beliscadinha", acrescenta.
Recentemente o Íbis decidiu se aventurar no basquete, graças a uma iniciativa que partiu da Federação pernambucana da modalidade. O clube não tem quadra própria, encontrou dificuldade para confeccionar uniformes e conta com atletas amadores. Depois de participar do Estadual de 3x3, com o vice-campeonato, agora a agremiação se prepara para o primeiro torneio oficial com time completo.
"Estamos esperando começar a competição. Acho que temos uma das equipes boas da competição, mas é o nosso primeiro ano. Esperamos ir bem, pelo menos no basquete", diz o presidente.
Favorita da Copa das Confederações, a Espanha estreia no torneio diante do Uruguai, na nova Arena Pernambuco, no domingo, às 19h. Na primeira fase a equipe dirigida por Vicente del Bosque ainda enfrenta as seleções de Taiti e Nigéria. A chegada a Recife está prevista para a noite de quarta-feira. 


sábado, 4 de maio de 2013

Uma resenha da conjuntura política do Acre, 2014 vem aí......





 O Professor de Matemática  e Acadêmico de Direito, Júnior Feitosa irá postular uma vaga na Assembléia Legislativa em 2014, carismático, evangélico, articulado, dono de uma boa oratória é um bom nome a ser  avaliado especialmente pelo povo de sua cidade – Tarauacá onde tem boas relações.



Se colocar na balança política e pesar não há na oposição nome mais forte que para senador que o do deputado federal Gladson Cameli (PP), que já sairia do Juruá como o mais votado.

Só figuração
Na forte chapa da FPA para deputado federal não existe até aqui uma mulher, e as que vierem aparecer por força da legislação eleitoral, serão só para fazerem figuração, bucha de canhão.

Quadro definido
Deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB), deputado federal Gladson Cameli (PP) e o senador Anibal Diniz (PT) serão os principais atores na eleição do próximo ano, na disputa da única vaga no Senado. Outros nomes que por ventura vierem aparecer vão fazer figuração. Perpétua e Gladson vão de franco-atiradores, a cadeira em disputa pertence ao PT.

Muito cuidado
Deputado Denilson Segóvia (PEN) tenha cuidado para não perder o mandato conquistado às duras penas. Fomentar uma briga em cima de motivos fúteis só para ser expulso do PEN é perigoso. Falo porque tenho fonte na justiça eleitoral que acompanha essas manobras no PEN.

Muito grave
Para ser expulso de um partido é preciso motivo grave, não é apenas combinar com a direção uma expulsão graciosa, porque é uma burla à lei, e sobrará, inclusive, para a direção do PEN.

Muito a explicar
Normando Sales e Tião Bocalon vão ter que explicar na justiça a denúncia da Mult Graf que, foi criado um jornal fictício, para servir como nota fria e legalizar saída de dinheiro da campanha.

Conversa fiada
Essa briga dos ex-dirigentes tucanos com credores serviu para mostrar que havia muito dinheiro na campanha, o deputado Werles Rocha (PSDB) fala numa tacada de R$ 1 milhão.

Colo do Márcio
Quanto às dívidas de campanha – 350 mil de marqueteiros e 24 mil de serviço gráfico – quem terá que pagar é o presidente Márcio Bittar (PSDB), pois, elas foram feitas em nome do PSDB.

Sujo e mal lavado
Os tucanos daqui não poderão mais criticar os petistas de lá pelo caixa dois, depois da acusação do dono da Mult Graf, de que saia grana não contabilizada para a campanha à PMRB.

Bases no interior
Não é de se admirar se o deputado Eber Machado (PSDC) vier dos municípios de Acrelândia, Capixaba e Porto Acre com boa votação e a sua reeleição interar com os votos na Capital.

Aprendeu rápido
Eber aprendeu a lição que, a tribuna da Aleac é boa para aparecer na mídia, mas os votos se conquistam fora.

Nome novo
O PMDB vem com um nome novo do Juruá na sua chapa para deputado estadual em 2014. É a Dra. Aldeci Rocha, esposa do prefeito de Mâncio Lima, Cleidson Rocha, com chance na disputa.

Cabo-eleitoral forte
O prefeito Cleidson sabe conduzir uma campanha, bateu na última eleição o candidato do PT com um esquema milionário, será um forte cabo-eleitoral, e com a máquina na mão.

Piada entre os políticos
Virou piada nas rodas políticas, as figurinhas carimbadas que foram se oferecer ao governador Tião Viana para ser o seu vice. Suas chances são as mesmas do Tijolinho ser o vice da Dilma.

Ditado do bolo
O ditado que, o “bolo oferecido não tem valor”, é velho, mas aplicável à situação.

 Aliança trabalhada
Além de trazer o PSB para o seu palanque (não apostem um centavo contra), o senador Sérgio Petecão (PSD) também trabalha o apoio do DEM à sua candidatura a governador.

Tudo acertado
Sobre o PSB está certo com a direção nacional que, a aliança está fechada, por um motivo forte: o governador Eduardo Campos quer um palanque para sua candidatura a presidente.

Chance zero
E com Eduardo Campos candidato a presidência a chance do PSB continuar na FPA é zero.

Tendência clara
Claro que o deputado federal Flaviano Melo (PMDB) não vai anunciar este ano que candidato o PMDB apoiará para governador, mas há sim no partido uma forte tendência pró-Márcio Bittar (PSDB).

Virou um feudo
O PMDB vai virar um feudo do Bittar. Usou o PMDB na primeira eleição de deputado federal e depois deu um chute, usou para disputar a PMRB, o Governo, e agora para o Governo de novo.

Pé no PDT
Quem está com um pé no PDT é o professor Emerson Leão, de Brasiléia, que pode ser candidato a deputado estadual. O anúncio foi feito pelo deputado Tchê (PDT).

Avaliar bem
Luiz Tchê diz que vai avaliar bem a sua candidatura a deputado federal, mas acha que sendo o único candidato do partido, presente em todos os municípios, disputará com chance de vitória.


sexta-feira, 19 de abril de 2013

UM POUCO SOBRE A HISTÓRIA DA NOSSA QUERIDA TARAUACÁ,PELO PROF.JUNIOR FEITOSA


O resgate da memória de Tarauacá vem à tona, após um mergulho nas profundas e pardacentas águas, dos rios Tarauacá e Murú. Pois, mergulhando nessas águas, somos inundados por uma rica e bela história de um povo alegre, pacato hospitaleiro, festeiro, guerreiro e acima de tudo feliz.

A história de Tarauacá teve sua origem na sede do Seringal Foz do Murú fundado na confluência dos dois rios. Esse seringal cresceu de importância por ser porto de abastecimento de lenha para os navios, combustível da época, como também era ponto de partida para os altos Seringais produtores de borracha, e em 1907, foi elevado a categoria de Vila, com o nome de Vila SEABRA, em homenagem ao então, Ministro da Justiça José Joaquim Seabra.

Com as grandes secas ocorridas no Nordeste, obrigou milhares de nordestinos se deslocarem para cortarem seringa nos seringais dos Rios Tarauacá e Murú, e com isso também imigraram para Vila Seabra, grande leva de sírio-libanês que tinha larga experiência em comércio e vieram atrás de enriquecimento rápido, já que a borracha nessa época valia ouro.

Vila Seabra, passou ainda a categoria de Intendência, tendo como intendente Dr. Sansão Gomes, que atualmente leva o nome do hospital da cidade. Já em 1913, foi elevada a categoria de município, tendo como primeiro prefeito o Cel. Antônio Antunes de Alencar. A cidade preservou o mesmo nome, até a edição de uma lei federal, que impedia duas cidades brasileiras ter nomes iguais. Então somente em 1943 houve a alteração do nome para Tarauacá, nome indígena que significa “Rio dos paus ou Rio das Tronqueiras”, atualmente a cidade é conhecida como “cidade da mulher bonita e do abacaxi grande”, duas principais características que lhe são peculiares hodiernamente.

Esses nordestinos foram os primeiros a subirem até a categoria dos rios e demarcarem as terras, para a formação dos seringais. Quando lá chegaram, expulsaram os habitantes nativos, que lá se encontravam. Através de um movimento denominado de “correrias”, ou melhor, na verdade, por analogia, o “holocausto indígena”, onde milhares de índios foram mortos, dizimados, tiveram suas vidas ceifadas, de forma covarde e cruel, bem como tiveram seus filhos tomados de suas mães para serem mortos, a ponta da faca, ou a bala, de rifles.

Já suas mulheres foram obrigadas, após testemunhar tamanha atrocidade, a serem esposas e escravas de seringueiros, tudo isso, com a aquiescência dos governos da época, que de certa forma financiaram e incentivaram o massacre. E esse genocídio, deixou como legado, uma mancha negra na história dos povos indígenas não só de Tarauacá, mas de todo o Acre. Sendo encabeçado, por dois principais algozes, na região do Tarauacá Envira, um senhor conhecido pelo codinome de Pedro Biló, e na região do Juruá outro tabacudo insano, conhecido pela alcunha de Felizardo Cerqueira.

Quando expulsaram os indígenas, e se instalaram nos seringais, surgiu a necessidade por parte dos grandes seringalistas, de manter os seringueiros permanentemente nas terras ora conquistadas, com o fim de, cortarem seringa. Surgiu então, a necessidade de abastecer a vila, os seringais e posteriormente a cidade, Destarte, começaram navios, aportarem no Porto de Tarauacá para deixar mercadoria dos comerciantes na sua maioria sírio-libaneses e depois subir aos altos rios para abastecer os seringais, recolher as pélas de borrachas, que seriam enviadas ao comércio de Manaus e Belém, locais onde se localizavam as grandes Casas Aviadoras que abastecia os seringalistas.

Mesmo com toda borracha produzida nos seringais de Tarauacá e Murú fosse enriquecer Manaus e Belém, Tarauacá também se evoluía. O farmacêutico senhor Irineu Catão que já Adquirira uma farmácia, também foi o primeiro a possuir uma bicicleta, o que causava admiração às pessoas por onde passava. O Aeroporto local começava a ser construído a braço, com o uso de pá, enxada, picareta e carro de boi, o que causou grande infortúnio às varias famílias, porque quando chovia, mesmo que fina o avião que descia aqui uma vez no mês não podia pousar e muitas mães de famílias, morreram de parto, por não poderem se dirigir para outros centros e serem atendidas. O primeiro avião a pousar em Tarauacá, foi no ano de 1942, pilotado pelo oficial da força área brasileira Ten. Sérvulo de Paula.

Apesar dessas dificuldades sofridas pela população, o município se desenvolvia culturalmente, com a construção de um Teatro, onde recebia artistas de outras localidades e realizavam grandes apresentações. Alegrando as tardes e início das noites tarauacaense, pois os grandes seringalistas residiam na cidade e investiam em seu bem estar e de sua família e constituíam uma sociedade reservada.

Apesar de Tarauacá ter como santo padroeiro São José, em 1927, foi introduzido no município, à comemoração a São Francisco, esse episódio aconteceu devido a um naufrágio no rio muru, ocorrido com o senhor Raimundo Eustáquio de Moura, e o mesmo no momento da aflição, fez uma promessa que se escapasse com vida passaria a realizar novena em homenagem ao santo. O empenho desse senhor foi tanto e devido também o município ser desbravado por nordestinos que cultuavam muito esse santo, que essas simples novenas ocorridas na colônia Marechal Hermes atualmente bairro de Copacabana, tornou-se o maior novenário do município. E isso fazia com que no final de setembro e começo de outubro a cidade dobrasse sua população para comemorar o santo. O seringueiro trabalhava o ano inteiro acumulando dinheiro para gastar nas festas da cidade, o qual davam grande trabalho a policia. Depois de se divertirem durantes as festas, rumavam para suas lutas da fabricação da borracha.

Com a decadência da borracha os seringalistas não tendo mais como abastecê-los, foram abandonados a própria sortes. A vida que já era difícil tornou-se pior. Os seringueiros que eram então explorados pelos patrões, passam agora a ser explorado por um tipo de vendedor ambulante, chamado de regatões, que subiam aos altos rios trocando mercadoria por borracha num preço exorbitante. O seringueiro não tendo mais nenhuma perspectiva de sobreviver do corte da seringa, vende suas plantações e vem embora para a cidade em busca de melhoria de vida. Chegando a cidade sem dinheiro, sem estudo, nem eles e os filhos, vão povoar as periferias da cidade, construindo seus casebres, semelhantes aos que viviam nos seringais, pois, suas condições financeiras são mínimas e ficam sujeitos a todos os tipos de mazelas por falta de qualquer higiene básica que um ser humano necessita.

E isso tem trazido prejuízos graves para ao desenvolvimento da cidade, bem como sua infraestrutura, malha viária, mobilidade urbana, crescimento desordenado, saneamento básico, luz, esgoto, geração de emprego e construção de casas em áreas alagadiças, o que tem demandado um alto custo para o município, atender a todas essas demandas de seus munícipes.

Essa cidade, sempre foi um celeiro de bons políticos, de campanhas partidárias envolventes, algo singular dessa terra. Ao longo de sua existência sempre houveram forças partidárias organizadas, que motivam e levam multidões as ruas. Os comícios são verdadeiras manifestações populares, expressando apoio a seus candidatos. Podemos dizer, em que pese à divergência, que a escola política taraucaense, é, sobretudo a melhor escola da política acreana, e tem projetado muitos filhos ilustres, não só para o Acre, mas para o País. E diga-se, de passagem, de excelentes oradores, que como os retóricos gregos, usam a verbalização para emocionarem o povo.

E nesses 100 anos de fundação de Tarauacá, é preciso darmos as mãos, unidos, e imbuídos no mesmo propósito, que é melhorar a vida do nosso povo. Corrigindo problemas que atravessaram e permaneceram durante uma existência. E para tanto, é preciso, com muito zelo e determinação, rumar em direção a esse centenário, com um olhar voltado para o futuro, de um novo tempo de progresso e esperança para a nossa gente. É preciso ainda, que se faça no presente e no futuro, o que não foi possível se fazer no passado, quebrando o retrovisor, sempre almejando dias melhores.

Portanto, essa cidade e seu povo merecem dias, sempre melhores, sem medo, com segurança, mais educação, saúde de qualidade e qualidade de vida para nosso povo. Todos, de mãos dadas, independente de qualquer natureza, quebrando as barreiras e com um olhar voltado para a cultura indígena, dos seringueiros, dos caboclos, dos sírios libaneses, dos nordestinos e dos taraucaenses acreanos, que formam essa gigantesca miscigenação e foram eles os precursores de nossa história. Concluo dizendo, Tarauacá é terra de todos. É terra de gente feliz. Que viva nosso povo, que viva Tarauacá, que viva o centenário. Obrigado meu Deus por viver esse marco da história.